GOVERNO DA BAHIA APLICA LOCKDOWN

         



Em entrevista via Zoom o governador Rui Costa, União de Prefeitos da Bahia e o prefeito de Salvador, Bruno Reis, decidiram hoje (25), adotar, entre sexta-feira (26) e segunda-feira (1) novas e mais rígidas ações para enfrentamento à pandemia da Covid-19. Setores que não são essenciais estarão proibidos de funcionar.

A medida vai valer em todo estado das 17h de sexta-feira (26) até as 5h de segunda-feira. Estão suspensas atividades essenciais no estado até o início da próxima semana. Fica determinado fechamento de lojas de rua às 17h,  bares e restaurantes às 18h e shopping centers às 20h.

Os diferentes horários de fechamento tem oobjetivo de escalonar o uso de transporte e evitar aglomerações durante o retorno para casa. São consideradas atividades essenciais todas as relacionadas à saúde pública e alimentação. Todo o restante será fechado até segunda-feira.

Isso também valerá, segundo o governador, para coibir aglomerações em comunidades. A medida ainda pode ser repetida na próxima semana caso não seja obtidos os resultados esperados.

Esquema

Além disso, nenhuma atividade coletiva de esporte poderá ser realizada. Neste final de semana, também estará proibida a comercialização de bebidas alcoólicas em qualquer estabelecimento da cidade, incluindo os mercados. As medidas serão monitoradas por policiais militares, civis, guardas municipais e agentes de fiscalização.

 

Esforço – O prefeito e o governador esclareceram que a restrição faz parte de mais uma ação para tentar conter o avanço da Covid-19, diante do atual cenário epidemiológico na capital baiana e em toda a Bahia. Apesar dos esforços para ampliar a quantidade de vagas para tratamento de infectados com a doença, o sistema de saúde baiano, tanto rede pública quanto particular, tem sido pressionado em função do volume de pacientes que necessitam de internação em leitos hospitalares.

 

No auge da primeira onda, comparou Bruno Reis, Salvador chegou a contabilizar 64 pacientes regulados ou a regular. “Também conversei com a classe empresarial, como representantes da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio) e da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) para explicar a gravidade da pandemia na cidade e eles entenderam a necessidade de avançarmos nas medidas de isolamento social”, completou o prefeito de Salvador.

 

O governador Rui Costa assegurou que, caso os números da Covid-19 continuem piorando, existe a possiblidade de o estado decretar a suspensão total do comércio (o chamado lockdown) ou ampliar ainda mais as medidas de isolamento social. “Isso vai depender do quadro de demanda nas UPAs e hospitais. É preciso conter a contaminação. Não tem como abrir leitos na mesma medida em que a quantidade de contaminados cresce”, enfatizou. 

 

Ele deu exemplo de potências mundiais como a Alemanha, que mesmo tendo o maior número de leitos de UTI proporcional à população, decretou o lockdown.

 

Vacinação – O prefeito reforçou que a campanha de vacinação contra a Covid-19 não será afetada com a restrição das atividades não essenciais na cidade. A imunização foi retomada nesta quinta (25), após a chegada ontem (24) de quase 30 mil doses de Oxford, tendo como público-alvo idosos acima de 80 anos e profissionais de saúde. 

 

“Estamos na expectativa da chegada de mais doses. Temos protocolos assinados com Pfizer, Oxford e Sinovac. Com a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) e aprovação do projeto de lei que tramita no Senado, que permite que estados e municípios comprem vacinas, podemos adquirir mais doses e facilitar essa relação de aquisição”, destacou Bruno Reis.