Grupo de 300 diplomatas quer saída de Ernesto e publica carta contra sua gestão

         



Um grupo de ao menos 300 diplomatas do Itamaraty escreveu uma carta com críticas ao ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Esse tipo de manifestação é raro na pasta devido à disciplina imposta pela carreira diplomática. O documento é datado deste sábado (27.mar.2021). Leia a íntegra no fim desta reportagem.

O ministro da Relações Exteriores, Ernesto Araujo, durante entrevista a jornalistas, no Palácio Itamaraty© Sérgio Lima/Poder360 O ministro da Relações Exteriores, Ernesto Araujo, durante entrevista a jornalistas, no Palácio Itamaraty
O texto não cita Araújo nominalmente, mas o Poder360 apurou que o grupo gostaria que ele deixasse o cargo. Também por causa da disciplina da carreira, os responsáveis pela elaboração do documento não o assinaram.

“Esperamos, com essas reflexões, oferecer mais elementos para que as necessárias e urgentes mudanças na condução da política externa ganhem maior apoio na sociedade, contribuindo, assim, para os esforços de superação das crises sanitária, econômica, social e política que enfrentadas pelo Brasil”, diz a carta.

“Nos últimos 2 anos, avolumaram-se exemplos de condutas incompatíveis com os princípios constitucionais e até mesmo os códigos mais elementares da prática diplomática”, escreveram os diplomatas.

“Nesse contexto e diante da gravidade do momento, sentimos ser nosso dever complementar os alertas emitidos pela academia, pelo empresariado, pelos movimentos sociais, por prefeitos, por governadores e pelo Congresso Nacional, a respeito dos graves erros na condução da política externa atual”, afirmam.

O documento é fruto de um acúmulo de descontentamento de setores do Itamaraty com a gestão do chanceler.

Na 4ª feira (24.mar.2021) Ernesto Araújo participou de audiência pública e senadores o pressionaram a pedir demissão. O caso chocou funcionários do Itamaraty porque o Senado tem poder sobre o ministério. Indicados para embaixadas são sabatinados na Casa Alta, por exemplo.

Araújo integra a chamada “ala ideológica” do governo, influenciada pelo escritor Olavo de Carvalho. Ele já se envolveu, por exemplo, em atritos com a China. Também disse que se a política externa faz o Brasil “faz de nós um pária internacional, então que sejamos esse pária”.

A gestão do chanceler é apontada como um dos motivos para o Brasil ter dificuldades para comprar vacinas contra o coronavírus. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), disse na 5ª (25.mar.2021) que a política externa do país precisa mudar.

“Se nós tivéssemos um ministro [das Relações Exteriores] com o comportamento, uma relação com outros países principalmente esses países que tiveram a capacidade de ter a sua vacina, nós teríamos um benefício muito grande e não tivemos por conta dessa postura equivocada do ministério das relações exteriores”, disse ao Poder360 o senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente de seu partido.

Leia a seguir a íntegra da carta escrita pelos diplomatas. O texto circula entre os funcionários do Ministério das Relações Exteriores por meio do Whatsapp:

“Brasília, 27 de março de 2021,

Nos últimos dias, o Brasil superou a trágica marca de 300 mil mortes por COVID-19, tendo o papel do Itamaraty na resposta à pandemia ganhado grande relevância no debate nacional. Neste momento, às vésperas da celebração do dia do diplomata, não há o que se comemorar. Pelo contrário, nunca foi tão importante reafirmar os preceitos constitucionais que balizam as relações exteriores da República Federativa do Brasil, definidos no artigo 4º da Constituição Federal de 1988, assim como as melhores tradições do Itamaraty.

Historicamente, a política externa brasileira caracterizou-se por pragmatismo e profissionalismo. O corpo diplomático, formado por concurso público desde 1945, sempre investiu no diálogo respeitoso e construtivo, com interlocutores internos e internacionais, com a imprensa e o Parlamento. A Constituição de 1988 consagrou princípios fundamentais pelos quais nossa diplomacia deve guiar-se, entre eles a independência nacional; prevalência dos direitos humanos; o repúdio ao terrorismo e ao racismo; e a cooperação entre os povos para o progresso da humanidade.

Nos últimos dois anos, avolumaram-se exemplos de condutas incompatíveis com os princípios constitucionais e até mesmo os códigos mais elementares da prática diplomática. O Itamaraty enfrenta aguda crise orçamentária e uma série numerosa de incidentes diplomáticos, com graves prejuízos para as relações internacionais e a imagem do Brasil. A crise do COVID-19 tem revelado que equívocos na condução da política externa trazem prejuízos concretos à população. Além de problemas mais imediatos, como a falta de vacinas, de insumos ou a proibição da entrada de brasileiros em outros países, acumulam-se danos de longo prazo na credibilidade internacional do país.

Nesse contexto e diante da gravidade do momento, sentimos ser nosso dever complementar os alertas emitidos pela academia, pelo empresariado, pelos movimentos sociais, por prefeitos, por governadores e pelo Congresso Nacional, a respeito dos graves erros na condução da política externa atual. Nunca foi tão importante apelar à mudança e à retomada das melhores tradições do Itamaraty e dos preceitos constitucionais – conquistas da nossa sociedade e instrumentos indispensáveis para a promoção da prosperidade, justiça e independência em nosso país.

Esta carta foi elaborada por diplomatas da ativa que não podem assiná-la como desejariam em razão de dispositivos da Lei do Serviço Exterior, que a propósito deveriam ser reexaminados tendo em conta sua flagrante inconstitucionalidade. Esperamos, com essas reflexões, oferecer mais elementos para que as necessárias e urgentes mudanças na condução da política externa ganhem maior apoio na sociedade, contribuindo, assim, para os esforços de superação das crises sanitária, econômica, social e política que enfrentadas pelo Brasil”.
Do Poder 360