´Bolsonaro está mais isolado que nunca`, afirma Financial Times em editorial

         



Em editorial (para assinantes) publicado no sábado (3.abr.2021), o jornal britânico Financial Times afirma que o presidente Jair Bolsonaro “está mais isolado do que nunca”, citando a pandemia e a crise entre o mandatário e os chefes das Forças Armadas, que pediram demissão nesta semana.

O título do texto é “O pesadelo de coronavírus do Brasil: ‘Bolsonaro está mais isolado do que nunca’“. O jornal escreve que “a mudança aprofundou a crise política sobre a oposição teimosa de Bolsonaro aos bloqueios e as ameaças do ex-capitão do Exército de usar os militares contra as autoridades locais que tentaram impô-lo”,

Além da questão com os militares, a publicação também diz que “as Forças Armadas não são a única instituição que perde a paciência com o Bolsonaro”.

Cita então a carta aberta assinada por mais de 500 empresários, banqueiros, economistas e ex-ministros exigindo coordenação nacional das medidas contra a pandemia no Brasil. “Centenas de líderes empresariais proeminentes”, classifica o jornal.

O texto critica a conduta do mandatário na pandemia. “Um dos maiores céticos do coronavírus do mundo, Bolsonaro recusou-se a usar máscara durante a maior parte do ano passado, criticou as vacinações e classificou a pandemia como ‘uma gripezinha’. Ele agora está lutando para manter seu governo unido e suas esperanças de reeleição vivas em meio a alguns dos piores números da covid-19 do mundo”.

Sobre as eleições de 2022, o jornal cita um Bolsonaro enfraquecido e a volta da elegibilidade do ex-presidente Lula: “Com o retorno do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva à política depois que sua condenação por corrupção foi anulada, Bolsonaro não é mais o favorito nas eleições do próximo ano”.

Quem afirma que “Bolsonaro está mais isolado do que nunca”, frase usada no título do editorial, é o diretor-gerente da consultoria Teneo, Mario Marconini. Ele fala sobre a relação do mandatário com o Legislativo em meio ao agravamento da pandemia no país.

“À medida que a pandemia inevitavelmente piora, haverá outro acerto de contas pelo Congresso em um futuro não muito distante para ver se ele se tornou mais descartável do que é agora”, diz o consultor.
Do Poder360