ABI, Sinjorba, governador e ACM Neto repudiam ofensa de Bolsonaro contra jornalista

         



Durante a viagem na Bahia, ontem, 26, o presidente Jair Bolsonaro se irritou e ofendeu a repórter Driele Veiga, da TV Aratu (SBT) ao ser questionado sobre uma polêmica envolvendo a foto com a placa escrita "CPF Cancelado", tirada ao lado do apresentador Sikêra Júnior na semana passada. Em meio a aglomeração durante o evento, o Bolsonaro não gostou da pergunta e respondeu: "Você é idiota? Não tem o que perguntar não?". A jornalista, que estava em um link ao vivo, comentou que se sentiu "agredida" pelo presidente.

Na imagem polêmica tirada na última sexta-feira, ao lado de alguns dos seus ministros em uma viagem no Amazonas, Bolsonaro aparece segurando a placa, que é mostrada diariamente no programa de Sikera na RedeTV!. A gíria é frequentemente utilizada em referência à morte de criminosos e também por grupos pró-violência policial. A foto causou polêmica ao longo do fim de semana e foi repudiada nas redes sociais.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), repudiou o caso. "Ao invés de trabalhar, ele ataca governadores, ameaça às instituições, provoca aglomerações, despreza as vacinas. E continua agredindo jornalista. Lamentável. Minha solidariedade a Driele Veiga e a todos os jornalistas que têm convivido com essa rotina de ofensas do presidente. A imprensa é um pilar fundamental da democracia. Tem que ser preservada e defendida", escreveu, nas redes sociais.

O presidente nacional do Democratas, ACM Neto, também se manifestou. "Quero me solidarizar com a jornalista Driele Veiga, a quem conheço bem e sei da seriedade, competência e educação. É fundamental que, em uma democracia, o presidente da República compreenda e respeite o papel da imprensa", disse Neto.

A Associação Bahiana de Imprensa também declarou que "repugna a agressão descabida e afrontosa" de Bolsonaro. "A esquiva à pergunta jornalisticamente correta, até pela repercussão da imagem publicada nas redes sociais do principal mandatário do país, já seria incompatível com o exercício da Presidência da República. Agrava a conduta inconciliável com o decoro que se espera de quem tenha a honra de ser escolhido pela maioria do povo brasileiro, a assediosa agressão verbal contra a jornalista".

O Sinjorba (Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia) emitiu uma nota afirmando que o episódio revela “imaturidade e traço autoritário” do comandante da República. “O Sinjorba lamenta mais uma vez ter que emitir nota para criticar o comportamento do presidente da República, Jair Bolsonaro. Mas não pode deixar de manifestar seu repúdio ao xingamento proferido por ele contra a jornalista Driele Veiga, chamada de “idiota” somente por estar exercendo seu ofício que é entrevistar aquele investido em cargo público”, diz parte da nota.
Com Tribuna