Ninguém vai permitir ironia machista, diz senadora rebatendo Flávio Bolsonaro

         



O filho do presidente da República, Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), afirmou que "as mulheres já foram mais respeitadas e mais indignadas" ao comentar a falta de representação feminina na Comissão Parlamentar de Inquérito da Covid. Segundo Flávio, elas "estão fora da CPI e não fazem nem questão de estar nela, se conformam em acompanhar os trabalhos à distância". Com 11 membros titulares e 7 suplentes, o colegiado não possui nenhuma senadora como integrante. As indicações são feitas pelos partidos.

A líder do Cidadania, Eliziane Gama (MA), que acompanhava a sessão presencialmente, afirmou que não vai admitir ironia machista contra mulheres:

— Não vamos admitir ironia machista contra as mulheres [...] Não usamos o argumento da autoridade. Usamos a autoridade do argumento. E é isso que vamos fazer aqui nessa CPI. Nenhum homem nem aqui e nem em lugar nenhum, enquanto houver mulheres presentes, a maioria da população brasileira, vai tentar cala a voz de uma mulher. Eu não admito isso, senador Flávio, questionar nossa indignação. Nós nos indignamos diante de todos os fatos que estão postos.

Flávio, então, alegou que estava querendo defender a participação das mulheres.

— Essa tentativa de tornar a discussão sobre machismo, vejam como é curiosa. Eu defendi a participação das mulheres — disse.

Eliziane rebateu novamente dizendo que Flávio foi irônico ao fazer o comentário.