UPA de Alagoinhas completa um ano com mais de 13 mil atendimentos

         



Único equipamento de saúde de complexidade intermediária do município de Alagoinhas, a UPA de Santa Terezinha completa um ano de funcionamento nesta quinta-feira (29) e atinge a marca de 13 mil e 110 atendimentos realizados. A data – que marca também o encerramento das ações do movimento Abril Verde, pela saúde e segurança do trabalhador – será lembrada em ato simbólico para a equipe da unidade.

 

Inaugurada em 29 de abril do ano passado, a UPA de Santa Terezinha atende à população estimada em 152.327 pessoas. É administrada pelo Instituto 2 de Julho e, devido à emergência sanitária desencadeada pela Covid-19, já começou a funcionar com exclusividade para pacientes com suspeita e/ou confirmação da doença.

 

Superintendente do Instituto 2 de Julho, Adnailson Lima, acredita que, além da excelente estrutura, a qualificação da equipe multiprofissional é um grande diferencial da UPA de Santa Terezinha: “temos a felicidade de poder contar, dia e noite, com profissionais que trazem consigo o compromisso de cuidar bem e acolher os usuários que buscam o estabelecimento”.

 

A unidade, que possui área total de 426,88 metros, conta com médicos clínicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas, técnicos em nutrição, em enfermagem e em radiologia. Há, no local, nove leitos de observação, um de isolamento e dois de estabilização. Possui farmácia, serviço de laboratório, refeitório e acolhimento de serviço social.

 

“Nesses 12 meses de funcionamento da UPA, só temos a agradecer. Foi um ano de muito trabalho e conquistas em prol da qualificação de nossa equipe, visando desempenhar um serviço de excelência na assistência a casos de Covid. O comprometimento dos nossos profissionais com o SUS é um grande motivo de orgulho para o município de Alagoinhas”, comemora a coordenadora de enfermagem da unidade, Karine Moraes.

 

A UPA de Alagoinhas – cidade a 118 km da capital baiana – atende, diariamente, de 90 a 100 pacientes com sintomas de síndromes gripais. O local adota o Acolhimento com Classificação de Risco (ACCR), que estabelece a prioridade de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento do paciente.