Reverendo chora ao falar à CPI





O fundador da associação Senah (Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários), reverendo Amilton Gomes de Paula, que negociou vacinas da AstraZeneca com o Ministério da Saúde em nome da Davati Medical Supply, chorou em seu depoimento nesta 3ª feira (3.ago.2021) à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado. Ele pediu desculpas ao Brasil e disse se arrepender de ter se envolvido nas negociações entre a Davati e o governo federal, que não foram concluídas.

Reverendo Amilton Gomes de Paula chora durante depoimento à CPI da Covid© Jefferson Rudy/Agência Senado Reverendo Amilton Gomes de Paula chora durante depoimento à CPI da Covid
O desabafo de Amilton foi durante os questionamentos do senador Marcos Rogério (DEM-RO), que disse que estar envolvido no caso controverso de venda de vacinas que não existiam era contrário a seus princípios religiosos.

“Eu tenho culpa sim, hoje de madrugada antes de vir pra cá eu dobrei os meus joelhos, eu orei. E aí eu peço desculpa ao Brasil e o que eu cometi não agradou primeiramente os olhos de Deus…E esse erro que eu cometi foi um erro que se pudesse voltar atrás eu voltaria. Peço perdão a todos os senadores, a todos os deputados”, declarou enquanto chorava.

Marcos Rogério citou a “bravata” alegada pelo reverendo ao ser questionado por mensagens ao vendedor de vacinas e cabo da PM Luiz Dominghetti citando autoridades e até a primeira dama, Michele Bolsonaro.

“Vossa senhoria usou ainda agora há pouco uma palavra que mexeu muito aqui com as pessoas, porque chocou as pessoas quando falou da bravata. Às vezes tentando demonstrar relacionamento, demonstrar nível de proximidade. Talvez seja o momento de fazer um juízo de mea culpa”, disse o senador Marcos Rogério.

Senadores não acreditam
Depois das lágrimas, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), mostrou-se cético sobre a cena. Disse que o reverendo tinha práticas semelhantes a de Dominghetti e do representante oficial da Davati, Cristiano Carvalho. Depois de diversas perguntas sem respostas claras, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também disse não acreditar nas lágrimas e afirmou que a motivação para as negociações foi o dinheiro.

“A Pfizer manda 101 e-mails para o Ministério da Saúde. Um pastor consegue, em horas, que as portas se abram para ele. Uma mágica, uma coisa espantosa. Daí o argumento do Governo é que não pagou. Tripudiou da compra das vacinas, recebe em horas e se abre as portas para o reverendo entrar no Ministério da Saúde que o sr não consegue fazer, coisa que eu não consigo fazer, coisa que nenhum senador consegue fazer aqui. Mas deixa de responder mais de 100 e-emails da Pfizer”, disse Aziz.
Do Poder 360