Após incitar greve, Sérgio Reis responderá a inquérito por pelo menos três crimes





A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) disse que o ex-deputado federal e cantor Sérgio Reis (Republicanos-SP) vai responder a inquérito policial após a divulgação de um vídeo no qual ele convoca caminhoneiros para uma paralisação. As informações são do site Congresso em Foco.

“O objetivo é investigar suposta associação criminosa voltada para a prática de alguns crimes, da qual ele seria integrante. Ele será investigado pelos crimes de ameaça (art. 147 do Código Penal), dano (art. 163 do CP) e atentado contra a segurança de meio de transporte (art. 262 do CP)”, diz o delegado Leonardo de Castro, da delegacia de Combate à Corrupção (Decor).

Segundo a polícia, Sérgio Reis será convocado para prestar depoimento, mas ainda não há data marcada. Em um vídeo publicado nas redes sociais no último sábado (14), o cantor convoca os caminhoneiros para uma paralisação em apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e ao impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal, com duração de 72 horas.

“O Brasil inteiro vai estar parado. Ninguém trafega, ninguém sai. Ônibus volta para trás com passageiros. Só vai passar a Polícia Federal, ambulância, bombeiro e cargas perecíveis. Fora isso, ninguém anda no Brasil”, diz o cantor no vídeo.

Em outro trecho, Sérgio Reis diz: “Se em 30 dias não tirarem os caras nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra. Pronto. É assim que vai ser. E a coisa tá séria.”

Nesta segunda-feira (16), a mulher do cantor, Angela Bavini, disse à coluna da jornalista Mônica Bergamo, da Folha, que o cantor “está muito triste e depressivo porque foi mal interpretado. Ele quer apenas ajudar a população. Está magoado demais”.

“O Sérgio foi induzido por pessoas que dizem estar em um movimento tranquilo. No fim, todo mundo vaza [desaparece], e sobra para ele, que é uma celebridade”, emendou ela. “Ele é querido e amado pelo Brasil inteiro, de direita, de esquerda”, afirmou.
Com as IstoÉ