Apoio ao impeachment de Bolsonaro sobe para 58%





O percentual dos que acham que o presidente Jair Bolsonaro deve sofrer impeachment saltou para 58%, segundo pesquisa PoderData realizada nesta semana (16-18.ago.2021). É um aumento de 8 pontos em relação ao levantamento anterior, no final de julho.

Impeachment de Bolsonaro é mais apoiado por aqueles que ganham de 5 a 10 salários mínimos e moradores da região Sudeste. Na imagem, Bolsonaro em cerimônia no Planalto© Sérgio Lima/Poder360 Impeachment de Bolsonaro é mais apoiado por aqueles que ganham de 5 a 10 salários mínimos e moradores da região Sudeste. Na imagem, Bolsonaro em cerimônia no Planalto
A proporção dos que acham que Bolsonaro deve continuar no cargo caiu 13 pontos percentuais no mesmo período. Passou de 45% para 32%.

A taxa de apoio ao impeachment é o recorde registrado pela divisão de pesquisas do Poder360 para essa pergunta. Fica tecnicamente empatada com os 57% registrados no final de maio, considerando-se a margem de erro de 2 pontos percentuais da pesquisa.

A proporção dos que acham que Bolsonaro deve continuar no cargo caiu 13 pontos percentuais no mesmo período. Passou de 45% para 32%.

A taxa de apoio ao impeachment é o recorde registrado pela divisão de pesquisas do Poder360 para essa pergunta. Fica tecnicamente empatada com os 57% registrados no final de maio, considerando-se a margem de erro de 2 pontos percentuais da pesquisa.

© Fornecido por Poder360

O número vem em um momento de tensão entre Bolsonaro e outros Poderes, em particular a Justiça eleitoral. É a 1ª pesquisa realizada depois da live em que o presidente ter apresentado o que diz serem indícios de fraude na contagem de votos por urna eletrônica nas eleições.

Em 2 de agosto de 2021, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) aprovou por unanimidade o envio de uma notícia-crime ao STF (Supremo Tribunal Federal) contra Bolsonaro pelas declarações de que houve fraude nas eleições de 2014 e 2018. A Corte também aprovou a abertura de inquérito administrativo para apurar “ataques” ao sistema eleitoral.

 

Esta pesquisa foi realizada no período de 16 a 18 de agosto de 2021 pelo PoderData, a divisão de estudos estatísticos do Poder360.

Foram 2.500 entrevistas em 433 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

HIGHLIGHTS DEMOGRÁFICOS

PoderData traz os recortes da pesquisa por sexo, idade, região, escolaridade e renda. Eis os principais estratos.

Quem mais apoia o impeachment:

  • mulheres (67%)
  • pessoas de 25 a 44 anos (60%);
  • moradores da região Sudeste (68%);
  • quem recebe de 5 a 10 salários mínimos (71%).

Quem mais defende a continuidade de Bolsonaro no cargo:

  • homens (44%);
  • pessoas de 16 a 24 anos (46%);
  • moradores da região Norte (45%);
  • quem recebe de 2 a 5 salários mínimos (48%).

© Fornecido por Poder360

IMPECHMENT SOBE ENTRE OS ‘REGULARES’

Metade dos que avaliam o trabalho de Bolsonaro como “regular” querem sua saída do cargo e 11%, a sua permanência. Em julho, as taxas eram, respectivamente, de 36% e 60%.

© Fornecido por Poder360

PODERDATA

O conteúdo do PoderData pode ser lido nas redes sociais, onde são compartilhados os infográficos e as notícias. Siga os perfis da divisão de pesquisas do Poder360 no Twitter, no Facebook, no Instagram e no LinkedIn

PESQUISA MAIS FREQUENTE

PoderData é a única empresa de pesquisas no Brasil que vai a campo a cada 15 dias desde abril de 2020. Tem coletado um minucioso acervo de dados sobre como o brasileiro está reagindo à pandemia de coronavírus. Num ambiente em que a política vive em tempo real por causa da força da internet e das redes sociais, a conjuntura muda com muita velocidade. No passado, na era analógica, já era recomendado fazer pesquisas com frequência para analisar a aprovação ou desaprovação de algum governo. Agora, no século 21, passou a ser vital a repetição regular de estudos de opinião.

Do Poder360