Brasil registra menor média móvel de mortes por Covid-19 desde final do ano passado

         



O ritmo acelerado da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, prioridade do Governo Federal, está mostrando resultados positivos no cenário epidemiológico do país. Nesta quinta-feira (9), a média móvel de mortes causadas pelo coronavírus ficou em 543, menor número registrado desde o dia 6 de dezembro do ano passado, quando o índice foi de 554.

Os números de novos casos confirmados da doença também estão em queda e registraram nesta quarta a média móvel de 20,1 mil, menor índice desde o início deste ano. A média móvel é um balanço do número de casos e óbitos registrados nos últimos 14 dias. O dado é mais relevante por levar em conta a oscilação dos registros.

As informações são reportadas ao Ministério da Saúde pelas Secretarias Estaduais de Saúde diariamente e atualizadas no sistema LocalizaSUS. A plataforma é utilizada para comunicar a sociedade sobre os números relacionados à pandemia no Brasil.

No momento, 135,5 milhões de pessoas, ou 84,7% da população adulta maior de 18 anos, recebeu ao menos uma dose das vacinas contra a Covid-19. Outros 68,4 milhões de brasileiros já concluíram o esquema vacinal, ou seja, receberam as duas doses ou dose única e estão totalmente imunizadas.

A melhora do cenário epidemiológico também reflete na infraestrutura hospitalar, que passa a registrar taxas de ocupação em leitos Covid (clínicos e de UTI) cada vez menores. Hoje, 21 estados registram taxas de ocupação abaixo de 50%, parâmetro considerado como dentro da normalidade.

Na prática, a baixa ocupação nos leitos quer dizer que o sistema de saúde está menos sobrecarregado e registrando menos casos graves ou gravíssimos da Covid-19, ou seja, situações que demandam internações ou intervenções médico-hospitalares, o que é fruto da ampla adesão da população à Campanha de Vacinação e da adoção de medidas não farmacológicas, como uso de máscaras e álcool em gel, higiene adequada das mãos e distanciamento social.

Pátria Vacinada

O Ministério da Saúde bateu recorde ao distribuir 60,8 milhões de doses de vacinas Covid-19 em agosto. Para setembro, a expectativa é receber mais de 62,6 milhões de doses dos laboratórios fabricantes. Com as doses chegando, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, traçou o objetivo de vacinar, com as duas doses ou dose única, toda a população adulta, de 160 milhões de brasileiros, até o fim de outubro.