Dinailton comemora reabertura das atividades presenciais da Justiça





Apenas dois dias após a realização de protesto em frente ao Fórum Ruy Barbosa, para denunciar o caos instalado no Judiciário baiano, fechado durante toda a pandemia, Dinailton Oliveira, ex-presidente e candidato à presidência da Ordem dos Advogados pela chapa OABpraValer, comemorou o ato normativo publicado na sexta-feira (12) pelo Tribunal de Justiça da Bahia, garantindo o retorno às atividades presenciais a partir de terça-feira (16). “A categoria está atravessando sérias dificuldades e não encontrou respaldo da atual diretoria da nossa OAB, que se limitou a distribuir cestas básicas aos advogados mais necessitados, expondo esses profissionais à humilhação”.

 

Na maratona de entrevistas a emissoras de rádio e tv que iniciou pelo sul do estado, ele afirmou que a Ordem está "muda, sem voz, de forma proposital”, desconhecendo as graves dificuldades vivenciadas pela maioria dos advogados baianos. Como prova inequívoca, disse que a inadimplência com a entidade é recorde, em torno de 72%. Por isso, ele conclamou a categoria a votar com consciência nas eleições da instituição, no próximo dia 24, “fazendo uma retrospectiva da coerência do caminhar dos candidatos, comparando o discurso com a prática de hoje, para não cair em armadilhas”.

 

Pão e circo

 

O candidato fez referência às candidaturas situacionistas, que estão há nove anos no grupo que comanda a instituição. “Daniela, por exemplo, vem utilizando a estrutura da Ordem para a campanha, o que resultou no pedido de impugnação da sua candidatura pela nossa chapa”, denunciou Dinailton. O abuso do poder econômico também foi reiteradamente criticado pelo candidato durante o bate-papo com os apresentadores das rádios Gabriela FM, Rádio Ilhéus FM (Ilhéus), Rádio Jornal de Itabuna e Rádio Difusora Sul da Bahia (Itabuna). O candidato esteve acompanhado do advogado Andirlei Nascimento, ex-presidente da subsecional de Itabuna.

 

"Estão gastando fortunas para pedir votos, ludibriando os advogados. Me candidatei como forma de protesto a tudo isto, porque queremos uma OAB trabalhando por todos os advogados e pela cidadania, e não por grupinhos de elite. A categoria está vivenciando uma situação estarrecedora e não merece essa política de pão e circo”, reagiu Dinailton.

 

Ele lembrou que, durante entrevista em uma rádio, em Salvador, a apresentadora afirmou que, na época da sua gestão, a OAB era pulsante. “E, realmente, era ativa, defendia os advogados e a sociedade. Enfrentamos os poderosos para que a família baiana soubesse que tinha uma instituição para lhe defender". Sua primeira ação ao assumir o cargo, segundo ele, será democratizar o acesso dos advogados à Ordem e defender, “com intransigência, de forma altiva e corajosa, as prerrogativas da categoria".

 

A atuação democrática na gestão Dinailton foi confirmada também pelos radialistas Frankvaldo Lima, no programa Show da Notícia, da Rádio Jornal AM, que o classificou como “o melhor presidente que a OAB da Bahia já teve”, e Maria Alice Pereira, da Rádio Difusora AM.

 

Ao ser perguntado, pelos apresentadores Marinho Santos e Robertinho Scarpita, no programa Tropa de Elite, na Gabriela FM, sobre o aumento significativo de candidaturas femininas nas eleições da OAB, inclusive nas subseções, Dinailton disse que recebia o fato, que também ocorre na política partidária, com "alegria". No entanto, acentuou que, seja homem ou mulher, é preciso que o eleitor fique atento aos discursos, às propostas apresentadas. "É preciso observar se há coerência”.

 

Na Rádio Ilhéus, o candidato afirmou ao apresentador Vila Nova que nas eleições da OAB o que existe é um verdadeiro contrasenso. “As duas candidatas participam de uma gestão calamitosa, que abandou os advogados".

 

Ele voltou a criticar a candidata Ana Patrícia, que, atualmente, é vice-presidente da Ordem, por ter em sua chapa advogado dono de escritório que "submete jovens profissionais a um salário aviltante, a receber 30 reais por audiência".

 

Também questionou o fato da candidata afirmar que possui, em seu escritório, 7000 processos. "Com 36 anos de advocacia, nunca a vi conversando com um juiz, na militância da advocacia, a não ser acompanhando colegas na condição de vice". Dinailton encerrou a entrevista alertando aos jovens e aos experientes advogados, que são levados em vans para votar pelos grandes escritórios, que “o voto é secreto”. Portanto, que votem com consciência, sabendo da importância da OAB para a vida de cada um.