Brasil tem protestos pelo Dia da Consciência Negra





Integrantes de movimentos sociais e estudantis e de partidos políticos fizeram hoje (20), em algumas cidades do país, mobilizações pelo Dia da Consciência Negra.

No Rio de Janeiro, o ato foi em Madureira, na zona norte da cidade, começou às 13h e durou cerca de três horas. Os manifestantes se concentraram no viaduto de Madureira e depois fizeram uma passeata pelas ruas do bairro, com um carro de som.

Em São Paulo, as manifestações começaram ao meio-dia com concentração no Museu de arte de São Paulo (Masp), com programação cultural. Na sequencia, os manifestantes seguiram em cortejo até o Theatro Municipal.

Na capital paulista os protestos reivindicam soluções à crise social que o país atravessa, com aumento da fome, desemprego, dos preços dos alimentos, das conta de luz, combustível e também aos recentes problemas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Em Brasília, a concentração foi às 15h. A mobilização aconteceu no Museu da República, área central da cidade. Além da manifestação pelo Dia da Consciência Negra o ato foi contra o governo do presidente Jair Bolsonaro.

As organizações chamaram atenção para mortes e precarização das condições de vida da população negra e pobre, com o aumento da fome e o desemprego.

Em manifesto, a Coalizão Negra Por Direitos criticou a situação de insegurança alimentar, o desemprego, que, segundo o documento, atinge majoritariamente mulheres e jovens negros, o racismo religioso, a não titulação dos territórios quilombola e a falta de políticas de habitação e saneamento para essa população. O manifesto também fez críticas à gestão do Enem e ao desmatamento no Brasil.

Na Bahia
Um grupo de manifestantes se reuniu no começo da tarde deste sábado (20), em Salvador, para celebrar o Dia da Consciência Negra e protestar contra o governo do presidente Jair Bolsonaro.

A edição 2021 da Marcha da Consciência Negra Zumbi e Dandara dos Palmares saiu do Campo Grande, no Centro da capital, e caminharam até a Praça Castro Alves.

Durante o percurso, os manifestantes carregavam mensagens como "vidas negras importam" e “basta de racismo”.

O grupo também gritava e exibia palavras de ordem contra o presidente Jair Bolsonaro. Diversas centrais sindicais participaram do ato em Salvador.

O ato foi organizado por movimentos sociais e também entidades sindicais e estudantis.

Ato em Lauro de Freitas pede demarcação de quilombo
Pela manhã, manifestantes do Hospital Menandro de Farias em direção à Praça da Prefeitura, no município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. Os manifestantes denunciavam o racismo e o genocídio do povo negro, além do pedido de demarcação do território original do Quilombo Quingoma.
Com G1