Independência ou morte: os famosos e os desconhecidos do Sete de Setembro





A pouco mais de um ano do Brasil completar o bicentenário de sua emancipação política, o historiador Rodrigo Trespach lança Personagens da Independência do Brasil pela Editora 106, obra reveladora em que resgata vultos além das personalidades que já conhecemos

Ao se falar da Independência do Brasil, os primeiros nomes a serem associados são o de D. Pedro I, o príncipe português do famoso brado às margens do Riacho Ipiranga e imperador da nova nação; D. João VI, com sua fama de indolente; Leopoldina, a imperatriz de fina educação; ou a Marquesa de Santos, amante do monarca. No entanto, em Personagens da Independência do Brasil – Os principais nomes da emancipação política do país e da história de Sete de Setembro, publicado pela Editora 106, o historiador Rodrigo Trespach apresenta uma abordagem diferente das que estamos acostumados a ver, e mostra que ainda há muito mais a ser publicado sobre a etapa mais importante da nação brasileira e seu complexo enredo.

Dos primeiros idealizadores da Independência, no Brasil colônia, às testemunhas do Grito do Ipiranga, o autor tece a trama desse evento fundador, valendo-se de uma cuidadosa pesquisa sobre as linhas biográficas de cinquenta pessoas que agiram com coragem e determinação, tais como Gonçalves Ledo, Gama Lobo, Chalaça, Frei Caneca, Maria Quitéria, Lorde Cochrane, Hipólito José da Costa, entre outros. Bem como os artistas que registraram, a seu tempo, a epopeia da libertação da pátria, incluindo Evaristo da Veiga, Pedro Américo e Georgina de Albuquerque.

Atento e perspicaz, Trespach demonstra organização em textos acessíveis que são interligados, mas podem ser lidos de forma independente. Com um poder de fôlego suficiente para entreter e ensinar o leitor, Personagens da Independência do Brasil revela que as articulações para nos livrarmos da antiga colônia envolveram políticos progressistas, conservadores, religiosos, lideranças femininas, jornalistas, nobres, membros de organizações clandestinas, ativistas, estrangeiros, funcionários públicos e muitos outros.

A obra é um novo marco para conhecer a fundação de nossa nação a partir das trajetórias e motivações de quem participou direta ou indiretamente do processo de emancipação. Personagens da Independência do Brasil – Os principais nomes da emancipação política do país e da história de Sete de Setembro, não é um livro convencional: é a revelação de quem eram, o que pensavam e diziam as pessoas que ousaram à altura de suas contribuições ao país.

Ficha Técnica: Personagens da Independência do Brasil– Os principais nomes da emancipação política do país e da história de Sete de Setembro
Autor: Rodrigo Trespach
Páginas: 224
Formato: brochura, 16x23x1,4cm
Peso: 390g
Preço: R$ 56,90
ISBN versão impressa: 978-65-88342-09-1
ISBN versão ebook: 978-65-88342-04-6
Gênero: História, Independência do Brasil, Biografias

Sobre o autor: Rodrigo Trespach nasceu em Osório (RS). Historiador, pesquisador e escritor, é autor de doze livros, entre eles, Personagens do Terceiro Reich (2020, lançado pela Editora 106), A Revolução de 1930 (2021), O lavrador e o sapateiro (2013), Quatro dias em abril (2016), os quatro livros da coleção “Histórias não (ou mal) contadas” (2017 e 2018), 1824 (2019) e A revolução de 1930 (2021). É autor de diversos artigos e matérias para jornais e revistas nacionais e internacionais. Mais sobre o autor em www.rodrigotrespach.com.

Sobre a editora: A Editora 106 nasceu do encontro entre Omar Souza, editor com mais de 20 anos de experiência em diversas casas editoriais de renome, e a psicanalista Fernanda Zacharewicz, proprietária da Aller Editora, especializada em livros voltados para o universo psicanalítico. Com um escopo editorial que se reflete nos vários selos sob os quais publica suas obras, como: 106 Biografias, 106 Ideias (ensaios, Filosofia, História etc.), 106 Pessoas (desenvolvimento pessoal, espiritualidade, negócios etc.), 106 Histórias (ficção histórica e contemporânea), 106 Clássicos (obras e autores consagrados), 106 Crônicas (textos produzidos por alguns dos melhores cronistas nacionais e internacionais), entre outros, a editora prioriza representar os mais diversos públicos.