Especialista dá 5 dicas para acelerar a jornada de diversidade e inclusão nas empresas





Diversidade e inclusão são temas que vem ganhando espaço de discussão na sociedade e no âmbito empresarial. Segundo o diretor da Diversifica, Leonardo Drummond, pesquisador, professor, e profissional com 20 anos de experiência em diferentes organizações, com os temas relacionados ao ESG (ambiental, social e da governança), cresce a importância do diálogo sobre como implementar a jornada de diversidade, equidade e inclusão nas empresas.

“Ainda há um extenso caminho a se percorrer. Valorizar a diversidade nos quadros funcionais é o principal caminho rumo a um futuro de sucesso, e as empresas que não acelerarem esse processo estão sob risco de serem vistas como ultrapassadas e colherem piores resultados, inclusive perdendo clientes, parceiros de negócios e até profissionais talentosos”, explica.

E eis que surge a dúvida: como fazer isso na prática? Leonardo enumera cinco dicas que podem ajudar as empresas que querem adotar a inclusão e a diversidade como missões institucionais:

1) Contrate especialistas em D&I: Ter um profissional dedicado à gestão da diversidade e inclusão, comprometido com práticas de ESG, facilita o mapeamento e a compreensão dos desafios da empresa e garantirá que as ações voltadas para esses valores sejam constantes ao invés de ocasionais.

2) Aplicar um Censo de Diversidade: É uma pesquisa para conhecer o perfil das pessoas que trabalham na empresa por meio do levantamento de dados pessoais e funcionais, considerando aspectos sociais, econômicos e ambientais. Questões sobre o clima da diversidade na organização também podem ser coletadas. Os resultados mostram o quão diversa e inclusiva a organização é. A partir daí, podem ser definidos objetivos e metas que deverão se desdobrar em um plano de ação para acompanhamento baseado em dados.

3) Para o RH - Recrutamento às cegas: Entrevistas realizadas “cara a cara” transmitem mais pessoalidade, mas ao mesmo, algum detalhe da aparência pode acabar afetando - ainda que inconscientemente - a decisão do recrutador. Os vieses inconscientes afetam a tomada de decisão. A seleção feita às cegas propõe foco no que é importante no processo: as competências da pessoa que se candidata à vaga.

4) Fomentar debates raciais: O racismo é estrutural na nossa sociedade. Desconstrui-lo é papel de todos nós, como representantes da empresa e também como indivíduos. Essas ações precisam acontecer para além do dia 20 de novembro. E nós, pessoas brancas, também precisamos adotar atitudes antirracistas. Devemos fomentar também outras discussões sobre diversidade, mas como consultor eu percebo que o debate racial é urgente em todas as organizações.

5) Usar a força de trabalho multigeracional a favor da empresa: Com o aumento da longevidade e a aposentadoria tardia, o encontro de gerações no ambiente de trabalho é inevitável e maravilhoso, no sentido de reunir uma potência de forças. Uma geração tem muito a aprender com a outra e os resultados desse encontro são excelentes para a produtividade, criatividade e inovação. No entanto, para que essa convivência não seja conflituosa, as empresas precisam estar preparadas.