MST lança Armazém do Campo em Salvador com show de Margareth Menezes





A partir deste sábado (11), será possível encontrar os produtos da Reforma Agrária Popular em Salvador, Bahia, com o lançamento da mais nova loja do Armazém do Campo do MST, sediada no Pelourinho.


Na ocasião, haverá ato inaugural e acolhida ao público onde será expresso pelo conjunto do Movimento o debate sobre a consolidação e projeções da Rede de Armazéns do Campo, maior rede de lojas de produtos da Reforma Agrária Popular do Brasil.


Estarão presentes na coletiva de abertura, João Paulo Rodrigues e Evanildo Costa, dirigentes nacionais do MST, Ademar Suptitz, coordenador da Rede de Armazéns do Campo e Julia Lopes, coordenadora do Armazém do Campo na Bahia.


Na ocasião, durante a coletiva de abertura será expresso pelo conjunto do Movimento aportes sobre a consolidação e projeções de expansão da Rede de Armazéns do Campo, maior rede de lojas de produtos da Reforma Agrária Popular do Brasil.


Para o conjunto do Movimento, o lançamento do Armazém concretiza a expansão da comercialização dos produtos da agricultura familiar camponesa, mas desde sua fundação se coloca essencialmente como um espaço de encontro da classe trabalhadora do campo e cidade.


“O Armazém do Campo será um espaço para compartilhar sonhos e comida de qualidade. Chegar no Pelourinho significa o fortalecimento das famílias Sem Terra da Bahia. Significa a nossa inserção no cenário cultural da cidade com a propaganda de que a reforma agrária é política fundamental para o povo brasileiro”, afirma Júlia Lopes, coordenadora da loja em Salvador.


O ato inaugural culmina com a chegada dos companheiros e companheiras da 6ª Feira Estadual da Reforma Agrária, que acontece até a manhã deste sábado (11) na Praça da Piedade, em Salvador. Já a loja do Armazém do Campo, tem sede na rua Santa Izabel, nº 3, no Pelourinho.


Rede de Armazéns do Campo


A rede de Armazéns do Campo, que teve início há 5 anos, já conta com 38 pontos de comercialização dos produtos da agricultura familiar camponesa produzidos nos acampamentos e assentamentos do MST, presentes nas principais capitais e em todas as grandes regiões do país.


As projeções da rede para os próximos anos será expressa com base no planejamento de expansão da produção e comercialização dos frutos da luta por Reforma Agrária Popular. E serão feitas a partir de uma perspectiva de curto, médio e longo prazo, visando tanto o próximo ano, quanto os primeiros 10 e 20 anos da rede.


Durante o evento, o Movimento expõe estratégias de como tem garantido a produção e comercialização de alimentos frente ao desmonte das principais políticas voltadas para fomentar a agricultura familiar, responsável pela maior parte dos alimentos presentes na mesa do povo brasileiro, em um momento da conjuntura onde a fome e o acesso à alimentos saudáveis fazem parte das emergências da classe trabalhadora do Brasil